Os Flaps são acessórios que se tornaram itens praticamente obrigatórios nos barcos atualmente. O motivo é claro: com o uso, donos de barcos de vários tamanhos passaram a perceber a dificuldade de controlar o trim quando mais pessoas (peso) estavam a bordo. Assim, a posição da proa e a dificuldade de se atingir o planeio ideal da embarcação mostraram que o tal acessório era uma boa ideia e, aos poucos, eles foram tão requisitados que passaram a ser item de série em muitos modelos.

Basicamente, Flaps são pranchas de metal, com tamanhos distintos para cada tipo e tamanho de barco, instalados no espelho de popa e que funcionam como hidrofólios, atuando na massa de água que passa por baixo do casco, na popa, dando mais estabilidade geral ao conjunto.

Ele é acionado, geralmente, em três situações mais comuns:

  • 1. Para ajudar o barco a entrar em planeio e atingir a velocidade ideal de cruzeiro, especialmente quando há muito peso a bordo (e na popa);
  • 2. Para ajudar desequilíbrios laterais oriundos da distribuição de peso a bordo, o que é bastante comum em barcos menores que 40 pés;
  • 3. Para melhorar a navegação em dias de mar ruim, ajustando a proa ou mesmo os bordos do barco contra a ondulação e tornar a navegação mais eficiente e até mais segura.

Quanto ao funcionamento, podem ser encontrados de dois tipos: hidráulicos e eletro-mecânicos. Há vantagens e desvantagens nos dois tipos, mas, em geral, os mais usados em barcos acima de 25 pés são os hidráulicos. Em ambos os casos seu acionamento se dá por chaves no painel de comando, que devem estar bem acessíveis ao piloto. Uma ótima dica de instalação é optar pelo painel indicativo da posição dos flaps, que existem em versão analógica por ponteiros ou LEDs ou digitais. Ajudam muito durante a navegação para que o piloto saiba onde os flaps estão acionados para poder rápida e corretamente ajustá-los novamente conforme a condição de navegação se altere.

Ao contrário do que muitos pensam, os Flaps não fazem o motor se esforçar mais para atingir o planeio, ao contrário, eles rapidamente ajudam o casco a entrar na posição mais adequada de navegação e assim permitir ao motor maior folga, já que o propulsor estará empurrando o barco na posição correta e não sob esforço e ângulo errado.

Obviamente que, após este uso e em planeio, o piloto deve ter a sensibilidade de entender a necessidade ou não de seu uso, recolhendo os flaps e assim permitindo que o casco tenha maior desenvoltura e o motor menos esforço. Intervenções devem ser feitas conforme a necessidade, nos casos citados acima (compensação de desequilíbrio lateral ou mar ruim).

Confira!